Vacinação contra a influenza H1N1



Desde que a epidemia de gripe suína se espalhou pelo mundo, um grupo em especial, o das gestantes, está em alerta. As grávidas, assim como idosos e crianças, são consideradas um grupo de alto risco para a infecção. 

No nosso atendimento diário, temos investido em prevenção e informação para não criar pânico sem necessidade entre as gestantes. É preciso lembrar que, na gestação, há outros vírus mais graves que o influenza A (H1N1). O ideal é que a gestante não seja infectada por nenhum deles, principalmente no primeiro trimestre, quando está acontecendo a divisão celular fetal. 

A principal recomendação é evitar locais fechados e grandes aglomerações, pois estes ambientes podem permitir a circulação do vírus e aumentar a probabilidade de contaminação. Depois, reforçarmos os apelos para que a grávida lave bem as mãos. Lavar as mãos com água e sabão é uma das formas de evitar contágio de doenças infecto-contagiosas.

As mudanças esperadas para qualquer gestação normal - como alterações respiratórias, cardiovasculares e imunidade reduzida - facilitam a infecção por esse vírus e as complicações que ele causa, como rápida evolução para pneumonia e septicemia. O risco é ainda maior para as mulheres que têm problemas respiratórios prévios à gestação, como asma e bronquite, porque o sistema respiratório já está debilitado.

Se a mãe pegar a gripe suína, o bebê também corre risco. Febre alta da mãe pode ser prejudicial para o embrião, se ocorrer nas primeiras 6 semanas, e favorecer a ocorrência de alguma malformação congênita. Já se a infecção e a febre incidirem no final da gravidez podem provocar um parto prematuro.

As grávidas são consideradas como grupo de risco para a Influenza pandêmica H1N1 porque, durante a pandemia, dentre as mulheres em idade fértil que apresentaram a síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em decorrência da Influenza H1N1, 22% eram gestantes. 

Não há risco em vacinar grávidas. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a vacina contra o vírus Influenza A H1N1 é segura para a gestante. Não há evidências de que a vacina possa causar dano ao feto ou afetar a capacidade reprodutiva, ou, também, sobre a ocorrência de aborto provocado pela vacina nos países em que esta foi administrada para o enfrentamento da pandemia.

Nome Completo

E-mail

Palavra-Chave

As informações contidas em nossa homepage têm caráter informativo e educacional. O seu conteúdo jamais deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Em caso de dúvida, o profissional médico deverá ser consultado, pois, somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.



Dr. Renato Kalil

Diretor Clínico

CRM-SP 62703