Rubéola pode provocar problemas de visão no bebê



O vírus da rubéola pertence à família do Rubivirus e é transmitido pelas gotículas de saliva eliminadas quando o portador do vírus ou da doença fala, tosse, espirra. Não necessariamente esse indivíduo fica doente e manifesta os sintomas característicos da rubéola: febre, dor nas articulações, erupção cutânea, aumento de gânglios. Muitas vezes, o portador é saudável, mas carrega o vírus na garganta, excreta-o na saliva e transmite-o para outras pessoas. A maioria das pessoas que adquire o vírus da rubéola não adoece, mas desenvolve uma forma assintomática ou sub-clínica da infecção e transmite o vírus por um tempo. O período de transmissão começa dez dias antes de o exantema aparecer e persiste por mais quinze dias depois de seu desaparecimento. O tempo em que a transmissão do vírus ocorre, sem que haja sinais evidentes da doença, é longo. Na verdade, mais ou menos 20% dos infectados desenvolvem os sintomas. Os outros 80% são assintomáticos, apesar de estarem transmitindo o vírus.

O vírus da rubéola é chamado de teratogênico, pois tem a capacidade de provocar alterações nos tecidos em formação. Por isso, quanto mais no início da gestação a mulher for infectada por ele, maior é o dano para a criança. Nos últimos meses, o impacto tende a ser menor sobre o feto. Ou seja, nos primeiros três meses da gravidez, os tecidos do feto são muito imaturos e qualquer interferência viral provoca comprometimento mais intenso do que provocaria em tecidos já formados.

Essas alterações ocorrem porque o vírus da rubéola atravessa a placenta e se instala nos tecidos fetais. Em geral, o vírus da rubéola tem predileção por tecidos do sistema nervoso e por tecidos cardíacos, mas pode provocar também alterações ósseas. A fontanela ou moleira da criança, que deveria fechar-se com o tempo, permanece aberta e podem permanecer abertos também os dutos do coração. Como os olhos nada mais são do que prolongamentos cerebrais - na verdade, são a parte do cérebro que capta a imagem porque a outra está coberta pela calota craniana -, essa predileção pelo tecido nervoso pode provocar cataratas, cegueira e microftalmia. Esse acometimento do cérebro pode causar também retardo mental. A microftalmia é um tipo de malformação dos olhos, que não crescem. São globos oculares pouco desenvolvidos não preenchem a fossa ocular.

Hoje, já existem técnicas para verificar a presença do vírus da rubéola na circulação sangüínea ou no líquido amniótico, o que permite ao médico identificar a infecção e se há algum dano instalado capaz de inviabilizar ou comprometer a qualidade de vida da criança. O ideal é que toda mulher que pretenda engravidar faça o exame de sangue para saber se está imunizada contra a rubéola. Esse exame faz parte da lista de exames pré-nupciais que nem sempre são feitos antes do início da vida sexual. Por isso, todas as mulheres que pretendem engravidar devem fazer o teste sorológico para saber como anda sua imunidade para a rubéola. Se ficar constatado que não são imunes, precisam tomar a vacina, que é extremamente eficaz - a eficácia da vacina está próxima de 100% - e previne a síndrome da rubéola congênita.

Se o exame de sangue revelar que há anticorpos protetores contra a doença, essa mulher não precisa tomar a vacina, porque já foi vacinada ou já entrou em contato com o vírus no passado e está imunizada. Caso contrário, a vacinação é obrigatória. É preciso lembrar que a vacina contra a rubéola é fabricada com o vírus vivo, embora atenuado na sua capacidade de produzir a doença. Portanto, a mulher não pode estar grávida no momento de tomar esta vacina, pois esse vírus pode causar alterações fetais. É importante saber também que uma vez vacinada, o ideal é que a mulher espere quatro semanas para engravidar.

Nome Completo

E-mail

Palavra-Chave

As informações contidas em nossa homepage têm caráter informativo e educacional. O seu conteúdo jamais deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Em caso de dúvida, o profissional médico deverá ser consultado, pois, somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.



Dr. Renato Kalil

Diretor Clínico

CRM-SP 62703