O que fazer quando a bolsa estoura?



Com a proximidade do parto, muitas futuras mamães temem que a bolsa d'água estoure subitamente em público. A cena é comum, mas só em novelas...

Na maioria dos casos, a ruptura da bolsa ocorre quando a mulher está na maternidade, em pleno trabalho de parto. Apenas 10% das grávidas em final da gestação têm a bolsa rompida antes do início do trabalho de parto, que em geral começa com as contrações.

A bolsa d'água, que envolve o bebê no útero, é formada por duas membranas e preenchida pelo líquido amniótico. Tem a função de proteger o bebê contra traumas e infecções. 

Depois que ela se rompe, o parto ocorre, no máximo, nas 48 horas seguintes. Alguns obstetras, no entanto, optam por induzir o nascimento com medicamentos em seguida, a fim de evitar infecções. 

Para saber se a bolsa estourou de verdade é preciso saber que a perda de água é intensa e, ao contrário da urina, a gestante não consegue controlar.

O líquido amniótico tem cor clara, quase transparente, e cheiro de água sanitária. Em alguns casos, porém, o rompimento se dá sutilmente, gotejando aos poucos. 

A primeira coisa é manter a calma. O estouro da bolsa não significa que o bebê irá nascer imediatamente. Se o líquido for transparente, não é preciso ter pressa. Dá tempo de ligar para o companheiro e para o médico, dá tempo de arrumar as coisas e ir para a maternidade. 

Se junto com o líquido sair uma secreção de coloração escura, é preciso dirigir-se ao hospital rapidamente. A cor, pode indicar, por exemplo, que houve o descolamento de placenta. 

Se a bolsa romper antes do fim da gestação, é preciso ir para a maternidade e entrar em contato com o obstetra. Há casos em que o médico consegue adiar o parto para que o bebê se desenvolva um pouco mais. Como o líquido continua a ser produzido pela placenta, a mulher deve ficar em repouso para mantê-lo.

Nome Completo

E-mail

Palavra-Chave

As informações contidas em nossa homepage têm caráter informativo e educacional. O seu conteúdo jamais deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Em caso de dúvida, o profissional médico deverá ser consultado, pois, somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.



Dr. Renato Kalil

Diretor Clínico

CRM-SP 62703