Enjôos na gestação



Náuseas e vômitos a todo instante... Um grande mal estar. Muitas grávidas relatam que no início da gravidez passam o dia praticamente no banheiro, vomitando. Nada pára no estômago. Sentir enjôos na gravidez não é a regra, algumas mulheres sentem muitos enjôos, outras não sentem nada. A maioria, entretanto, apresenta um certo desconforto no primeiro trimestre da gravidez que pode ser administrado.

Embora não seja agradável para a mãe, o problema não costuma trazer prejuízos ao bebê. Exceto em casos graves, que afetam 1% das gestantes, onde os vômitos são tão fortes e constantes que é preciso interná-las para evitar o risco de uma desidratação. O responsável pelo mal estar é o hormônio da gravidez, o HCG, produzido ao longo dos nove meses. No primeiro trimestre da gestação, os níveis deste hormônio são mais altos para garantir um ambiente ideal para o desenvolvimento da criança. É ele que afeta a atividade cerebral, alterando o centro responsável pelo vômito. Quase sempre, os enjôos cedem após a 12ª semana. 

A seguir, enumeramos medidas que podem ser adotadas para aliviar este desconforto:

1) Não ficar em jejum

Com a falta de glicose na circulação e o estômago vazio, as substâncias da digestão agem mais rapidamente, agravando as náuseas. O extremo oposto também não é recomendável. O estômago muito cheio pode trazer mal-estar porque trabalha mais lentamente durante a gestação. A orientação que fornecemos às grávidas é a de se alimentar a cada 3 horas, fracionando as refeições: fazendo com que elas comam pouco e várias vezes ao dia.

2) Coma bolachas salgadas

Não só as bolachas salgadas, como também alimentos ricos em carboidratos, pois elevam as taxas de glicose no sangue. Torradas, biscoito de polvilho e macarrão leve são boas pedidas. Outros alimentos de fácil digestão e que ajudam a atravessar essa fase são saladas, grelhados, purês e gelatinas.

3) Evite cheiros fortes

Não sabemos ao certo o porquê, mas durante a gravidez, os sentidos da gestante fiquem mais aguçados, em especial o olfato e o paladar. Quando o vômito é provocado por um cheiro, a solução é manter distância do que provoca esse efeito: mudar de pasta de dente, pedir para o marido não usar determinado perfume, evitar o manuseio de produtos de limpeza são medidas que podem ajudar.

4) Faça acupuntura

Vários estudos comprovam o efeito benéfico das agulhas nos casos de enjôos durante a gestação. Os especialistas em acupuntura dizem que há um ponto no cotovelo que é imbatível contra enjôos. Ele costuma ser estimulado, junto com outros pontos úteis, em aplicações semanais de agulhas. Fora isso, a mulher pode aprender a massagear o local com os dedos ou com a ponta de uma caneta e utilizar esse recurso sempre que o estômago começar a protestar.

5) Coloque o gengibre no cardápio

Mas é melhor utilizá-lo na forma de chá ou sentir apenas seu aroma. Algumas gestantes podem achar o gosto do gengibre muito forte para mastigá-lo. Um jeito de torná-lo menos picante é misturá-lo à hortelã. As folhas de hortelã também podem ser usadas como chá ou adicionadas a sucos com o mesmo propósito. Mastigar as folhas de hortelã também reduz o enjôo.

6) Coma uma bolacha salgada assim que se levantar

Após oito horas de sono, a mulher passa a noite em jejum e pode acordar com a glicose baixa e desidratada. Em geral, levanta correndo e escova os dentes. O cheiro da pasta dental pode piorar tudo. A recomendação é ficar um pouco deitada e, antes de levantar, comer uma bolacha salgada ou tomar o remédio contra náuseas indicado pelo médico, acompanhado de uma bebida gelada como suco de limão.

7) Mantenha uma alimentação equilibrada

Limonada e suco de limão fresco aliviam o mal-estar da mesma forma que os gelados, como picolés, milkshakes e as frutas adocicadas. Já alimentos muito doces, quentes, gordurosos ou condimentados devem ficar fora do cardápio.

Nome Completo

E-mail

Palavra-Chave

As informações contidas em nossa homepage têm caráter informativo e educacional. O seu conteúdo jamais deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Em caso de dúvida, o profissional médico deverá ser consultado, pois, somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.



Dr. Renato Kalil

Diretor Clínico

CRM-SP 62703