É seguro tomar vacinas durante a gestação?



Geralmente, as vacinas que contêm vírus inativados  podem ser administradas durante a gravidez, já as vacinas que contêm vírus vivos atenuados não são recomendadas para as mulheres grávidas.

Se você está planejando uma gravidez, o ideal é conversar com seu obstetra a respeito de qualquer vacina que possa ser necessária, pelo menos um mês antes da concepção.

A única vacina de rotina  recomendada durante a gravidez é a vacina contra influenza (gripe), feita de um vírus inativado, por isso é segura para a gestante e o bebê. É recomendável evitar  a vacina contra influenza sob a forma de spray nasal, que é feita a partir de um vírus vivo.

Além da vacina contra gripe, seu obstetra pode recomendar uma dose de reforço contra tétano e difteria, se você não se vacina há mais de dez anos ou se você sofrer um corte profundo durante a gravidez. 

A vacina de reforço da difteria é normalmente dada no segundo ou no terceiro trimestre da gestação, mas pode ser dada a qualquer momento se necessário  ou se houver suspeita de possível situação de risco.  

A vacinação anti-tetânica também pode ser realizada recorrendo a uma vacina trivalente contra a difteria, o tétano e a tosse convulsa (DTPa). Embora esta vacina  geralmente não seja ministrada durante a gravidez, seu obstetra provavelmente vai recomendar que você a tome, logo que o bebê nascer, caso você já não a tenha recebido antes da gravidez.

Além destas vacinas, se você viajar para o exterior, durante a gestação,  seu obstetra pode recomendar outras vacinas durante a gravidez,  como contra hepatite A, hepatite B, meningite ou  ainda vacinas pneumocócicas.

Algumas vacinas são geralmente evitadas durante a gravidez, tais como:

01) Catapora (varicela);
02) Papilomavírus humano (HPV);
03) Sarampo;
04) Caxumba;
05) Rubéola.

Nome Completo

E-mail

Palavra-Chave

As informações contidas em nossa homepage têm caráter informativo e educacional. O seu conteúdo jamais deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Em caso de dúvida, o profissional médico deverá ser consultado, pois, somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.



Dr. Renato Kalil

Diretor Clínico

CRM-SP 62703