Retrospectiva 2012 - Parte II



O ano de 2012 foi marcado pelo lançamento de tendências importantes nas áreas de ginecologia, obstetrícia e saúde da mulher. As principais organizações médicas norte americanas emitiram orientações sobre exames de prevenção, gestão de sintomas da menopausa, assuntos relacionados à gravidez e sobre os riscos e protocolos de medicina reprodutiva.


MÉTODOS DE TRIAGEM DE EMBRIÕES

Um dos maiores desafios até agora tem sido o de encontrar uma ferramenta que possa ajudar na seleção de embriões e, portanto, na identificação do melhor embrião para transferência. Algumas dessas tecnologias já estão disponíveis, e outras estão em fase avançada de desenvolvimento. Felizmente, elas irão se revelar úteis no processo de seleção de embriões para que a SET (sigla em inglês para Transferência de um Único Embrião) possa ser oferecida para a maioria dos casais, sem comprometer suas chances de gravidez bem sucedida.


CRIOPRESERVAÇÃO DE ÓVULOS MADUROS

Melhorias recentes na tecnologia de criopreservação levaram ao desenvolvimento de protocolos altamente eficazes de criopreservação de óvulos. Em sua última recomendação, a ASRM (American Society for Reproductive Medicine) e a SART (Society for Assisted Reproductive Technology) excluíram o rótulo "experimental" da criopreservação de óvulos. Com isso pode ser esperada uma aplicação clínica mais generalizada, especialmente nos casos em que não existem outras soluções para preservação da fertilidade.

Com a decisão cada vez mais comum da mulher em adiar a reprodução, a taxa de sucesso da gestação é reduzida significativamente. A criopreservação eletiva de óvulos em uma idade mais jovem para uso posterior pode oferecer uma solução nesses casos.

Nome Completo

E-mail

Palavra-Chave

As informações contidas em nossa homepage têm caráter informativo e educacional. O seu conteúdo jamais deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Em caso de dúvida, o profissional médico deverá ser consultado, pois, somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.



Dr. Renato Kalil

Diretor Clínico

CRM-SP 62703