Para que serve o espermograma?



A análise do sêmen é um dos primeiros exames solicitados para avaliar a fertilidade masculina. Por razões de padronização e para que resultados obtidos em locais diferentes sejam comparáveis e confiáveis, os testes que envolvem o sêmen devem ser realizados de acordo com diretrizes, como as estabelecidas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Esta análise deve ser realizada com cuidado, pois é essencial para fornecer dados sobre a espermatogênese e a permeabilidade do trato reprodutivo masculino.

O espermograma é importante para verificar, inicialmente, se o volume do esperma, o pH (acidez), a viscosidade, a cor e a liquefação do sêmen apresentam-se normais. Em seguida, determina-se o número de espermatozóides e a motilidade dos mesmos, tanto do ponto de vista quantitativo, quanto qualitativo. A contagem do número de espermatozóides e a avaliação da motilidade são realizadas no microscópio, com auxílio de câmaras especiais, especialmente desenvolvidas para este fim. O espermograma inclui ainda a avaliação da morfologia dos espermatozóides e a determinação do número de leucócitos presentes no sêmen.

Para realizar esta bateria de testes, solicita-se a abstenção da atividade sexual por um período de 48 a 72 horas. A coleta da amostra de sêmen é realizada no próprio laboratório. O frasco para a coleta deve ser de boca larga e de material previamente testado quanto à toxicidade para a motilidade espermática. Situações especiais podem ser contornadas, como a coleta durante o ato sexual, utilizando-se preservativos atóxicos, vibroestimulação ou eletroejaculação nos homens com trauma de medula espinhal e ejaculação retrógrada.

Principais parâmetros obtidos por meio do espermograma

1. Volume do sêmen: é a quantidade de líquido no ejaculado, que provém das vesículas seminais e da próstata (menos de 5% do ejaculado é composto por espermatozóides). O volume considerado normal é maior ou igual a 2 mL;

2. Concentração de espermatozóides: mede a capacidade de produção dos testículos, devendo ser maior ou igual a 20 milhões de espermatozóides por mL;

3. Motilidade dos espermatozóides: a motilidade progressiva é aquela que produz deslocamento. No mínimo 50% dos espermatozóides devem ter motilidade progressiva;

4. Morfologia dos espermatozóides: é a porcentagem de espermatozóides de forma normal no líquido seminal. Para reprodução, a morfologia utilizada é a de KRUGER, para a qual 14% dos espermatozóides (no mínimo) devem ter forma normal (chamada oval normal).

Nome Completo

E-mail

Palavra-Chave

As informações contidas em nossa homepage têm caráter informativo e educacional. O seu conteúdo jamais deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Em caso de dúvida, o profissional médico deverá ser consultado, pois, somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.



Dr. Renato Kalil

Diretor Clínico

CRM-SP 62703