Dia Internacional da Mulher: quando a gravidez não acontece



Antigamente, acreditávamos que os problemas para engravidar estavam exclusivamente relacionados com a mulher. Na verdade, em apenas um terço dos casais com dificuldade para conseguir uma gravidez, a dificuldade é exclusiva da mulher. Outro terço se deve a um problema exclusivo do homem e, em mais ou menos 40% dos casos, a uma pequena associação de dificuldades dos dois parceiros para obter a gravidez.

Em suma, de todos os casais que tentam a gravidez, mais ou menos 10% vão precisar de algum tipo de ajuda para levar adiante o processo. Em um terço desses 10%, as causas seriam femininas; no outro terço, masculinas e, no terço restante, seriam atribuídas à associação de dois componentes do casal. 

Diante de uma dificuldade para engravidar, é sempre fundamental que se faça uma avaliação conjunta do casal e nunca partir do princípio que o problema é só masculino ou só feminino. Por questão de praticidade, o primeiro passo é pedir um espermograma para o homem, um exame que consiste na coleta de esperma por masturbação, em laboratório. Em 99% dos casos, esse exame permite definir se a causa é exclusivamente masculina.

Simultaneamente à realização do espermograma, partimos para o levantamento da história clínica da mulher. É preciso saber se ela ovula e menstrua regularmente (o fato de menstruar regularmente fala a favor de um processo de ovulação normal) e se alguma coisa sugere que tenha tido uma infecção na pelve que possa ter comprometido as trompas. Além disso, fortes cólicas menstruais podem ser sinal de endometriose, uma doença que é causa importante para a dificuldade para engravidar.

A história clínica norteia o início da investigação, que continua com exames laboratoriais e de imagem para confirmar se a paciente tem mesmo ovulação, se suas trompas são permeáveis, ou se tem algum problema no colo do útero ou dentro da cavidade uterina que impede ou dificulta a concepção. Com base nesses dados, traçamos desde a continuidade do procedimento de investigação até o tipo de tratamento necessário para o casal levar adiante o projeto da gravidez.

Nome Completo

E-mail

Palavra-Chave

As informações contidas em nossa homepage têm caráter informativo e educacional. O seu conteúdo jamais deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Em caso de dúvida, o profissional médico deverá ser consultado, pois, somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.



Dr. Renato Kalil

Diretor Clínico

CRM-SP 62703