Avanços no tratamento da infertilidade masculina



A ciência acabou de conseguir um grande feito: criar espermatozoides em laboratório. A boa nova veio do Japão. Pesquisadores da Universidade da Cidade de Yokohama criaram as células reprodutivas masculinas em camundongos. E depois, por meio de fertilização in vitro, fizeram com que filhotes de camundongos saudáveis fossem gerados. 

Os espermatozoides, criados por pesquisadores japoneses da Universidade da Cidade de Yokohama, conseguiram dar origem - por meio de fertilização in vitro - a descendentes, machos e fêmeas, saudáveis e férteis. 

Isso aconteceu até quando as células colhidas haviam passado algum tempo congeladas. É um fator que tradicionalmente atrapalha o sucesso da fertilização. 

Para chegar ao resultado, os cientistas retiraram, por meio de uma biópsia, células dos testículos de camundongos recém-nascidos, com dois ou três dias de vida. 

Esse material tinha apenas gonócitos e espermatogônias, estágios primitivos do complexo processo de formação dos espermatozoides. 

Os cientistas tentaram fornecer quase todos os componentes da formação natural das células. Para que elas se desenvolvessem totalmente, eles adicionaram KSR, produto muito usado em culturas de células-tronco. 

Após cerca de um mês, eles confirmaram a produção dos espermatozoides. As culturas continuaram produzindo essas células durante cerca de dois meses.

A ideia, agora, é adaptar a técnica para resolver problemas de infertilidade em homens, principalmente entre aqueles que têm problema na maturação dessas células. Isso pode acontecer, por exemplo, em homens que passaram por tratamento de câncer na infância.

O sucesso com os camundongos abre as portas para a experiência em humanos, mas ainda não há previsão para que isto ocorra. Os cientistas japoneses vão aplicar a técnica, agora, em animais maiores.

Nome Completo

E-mail

Palavra-Chave

As informações contidas em nossa homepage têm caráter informativo e educacional. O seu conteúdo jamais deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Em caso de dúvida, o profissional médico deverá ser consultado, pois, somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.



Dr. Renato Kalil

Diretor Clínico

CRM-SP 62703