Sexo na gravidez: quando o desejo pelo parceiro reaparece



Passada a fase inicial de adaptação, inclusive emocional, a disposição da grávida tende a melhorar. Em geral, essa etapa coincide com a entrada no segundo trimestre. "Ele costuma ser a melhor fase da gravidez, não só para ter relações sexuais. Os enjôos cessam e a barriga ainda não está tão grande a ponto de incomodar durante o sexo", afirma o obstetra Bento de Souza. 

Segundo o especialista, nesse período acontece um resgate da sexualidade do casal, pois a tendência é que o desejo da grávida, assim como o bom humor, reapareçam. Outro ponto a favor do prazer no segundo trimestre é a confirmação de que a gravidez vingou, uma vez que a maioria dos abortos espontâneos ocorre nos primeiros três meses. 

Apesar de todas as mulheres sofrerem alterações hormonais na gravidez, nem sempre as gestantes torcem o nariz quando o papo é sexo. "O comportamento sexual não pode ser creditado apenas às reações dos hormônios, pois é muito mais complexo. Além dos fatores físicos, envolve o lado psicológico e social de cada um", afirma o terapeuta sexual Théo Lerner. Muitas gestantes têm o desejo intensificado. "O aumento da irrigação sangüínea por causa da gravidez atinge a região pélvica, tornando-a mais sensível. 

O mesmo ocorre com os mamilos, embora eles fiquem um tanto dolorosos no início. Isso contribui para que a relação seja mais gostosa", diz o obstetra Renato Kalil. Existe também uma cumplicidade maior entre o casal, já que o filho, em geral, representa um projeto - e um sonho - compartilhado. 

Tudo isso aliado ao fato de que ambos podem esquecer os métodos contraceptivos e relaxar por completo, afinal de contas, já estão grávidos! "É na gravidez que a mulher exerce sua sexualidade livremente", afirma a enfermeira obstétrica Luciana Castelo Branco. 

FONTE: REVISTA CRESCER


Nome Completo

E-mail

Palavra-Chave

As informações contidas em nossa homepage têm caráter informativo e educacional. O seu conteúdo jamais deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Em caso de dúvida, o profissional médico deverá ser consultado, pois, somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.



Dr. Renato Kalil

Diretor Clínico

CRM-SP 62703