Mitos e verdades da segunda gestação



É necessário quebrar alguns mitos e ratificar verdades sobre as diferenças entre a primeira e a segunda gestação na vida de uma mulher. Embora muitas mulheres não acreditem, pois não são mais "marinheiras de primeira viagem", a segunda gestação é sempre diferente da primeira.

Vários fatores exercem influência direta no processo gestacional: os biológicos e os emocionais, assim como o tempo transcorrido entre uma gravidez e a outra.

Segundo Renato Kalil, ginecologista e obstetra do Hospital e Maternidade São Luiz, da capital, e membro da American Academy of Family Phisician, deve-se considerar a idade da futura mamãe, as modificações abdominais e pélvicas decorrentes da primeira prenhez e do tipo de parto a que se foi submetida. Ainda fazem parte desta lista a qualidade do óvulo fecundado (idade materna), a implantação da gestação no útero (relacionada com abortamentos), o equilíbrio hormonal e o bom desempenho da placenta, entre outros fatores.

Uma gestação também é muito influenciada pelos aspectos psicológicos e emocionais. Aceitar a gravidez e suas implicações na vida da família, conviver com as novas expectativas de vida, organizar as rotinas doméstica e profissional, são fatores que transformam a experiência anterior numa experiência completamente diferente e única.

"Se compararmos duas gravidezes, observaremos que todas as suas fases são distintas, acontecem em momentos e condições diferentes", relata Kalil. Segundo Kalil, algumas patologias que se manifestam na primeira gravidez têm maior probabilidade de ocorrer na segunda e, neste caso, realmente a mulher poderá apresentar o mesmo quadro, mas isso também não é uma regra. Ele cita como exemplos os quadros de hipertensão arterial, diabetes, patologias placentárias, problemas reumatológicos, doenças renais, problemas cardíacos, entre muitas outras doenças.

FONTE: JORNAL VALE PARAIBANO


Nome Completo

E-mail

Palavra-Chave

As informações contidas em nossa homepage têm caráter informativo e educacional. O seu conteúdo jamais deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Em caso de dúvida, o profissional médico deverá ser consultado, pois, somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.



Dr. Renato Kalil

Diretor Clínico

CRM-SP 62703