Gestantes obesas devem ganhar entre 5 e 9 quilos, dizem médicos



A primeira revisão das diretrizes do Instituto de Medicina dos EUA sobre ganho de peso na gestação, divulgada na semana passada, afirma que mulheres que estão acima do peso ao engravidar devem ganhar de cinco a nove quilos no período -desde 1990, o preconizado era até 12 quilos.

Para ter uma ideia, o peso somado do útero, da placenta, do bebê, do líquido amniótico e do aumento das mamas equivale a cerca de cinco quilos.

A mudança ocorre na mesma época em que um estudo com 232 mulheres, publicado na edição de junho do periódico "The Journal of the National Medical Association", concluiu que gestantes obesas que seguem uma dieta equilibrada e não engordam praticamente nada nesse período têm uma gravidez e um bebê mais saudáveis do que aquelas que ganham quilos substanciais.

Na pesquisa, não houve mortes nem restrição de crescimento entre os bebês cujas mães ganharam pouco ou nenhum peso. Também houve menos bebês com sobrepeso e menos cesáreas no grupo que recebeu uma dieta controlada.

O ginecologista e obstetra Renato Kalil, da Maternidade São Luiz, disse ter ficado satisfeito com o resultado. "Sou um dos defensores de que a obesa tem até que perder peso na gravidez, o que vai contra a opinião de mães, tias, avós e médicos tradicionais, que acham que elas têm que engordar."

Segundo o médico, várias de suas pacientes que pesavam de cem a 120 quilos perderam de dez a 20 quilos durante a gravidez e tiveram bebês saudáveis -"sem que elas incorressem no risco de diabetes e hipertensão que as obesas correm".

Kalil frisa, no entanto, que a grávida obesa não deve fazer regime, mas uma dieta balanceada para a gestação. "Ela não vai ficar debilitada nem ter anemia. A gravidez é o melhor momento para voltar ao peso que ela tinha antes [de engordar]."

FONTE: SITE CIRCUITO MT


Nome Completo

E-mail

Palavra-Chave

As informações contidas em nossa homepage têm caráter informativo e educacional. O seu conteúdo jamais deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Em caso de dúvida, o profissional médico deverá ser consultado, pois, somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.



Dr. Renato Kalil

Diretor Clínico

CRM-SP 62703